back index CÂMARA MUNICIPAL
CURITIBA

Curitiba, 11 de dezembro de 2018
 
Sim Não
controle de spam, digite o código no campo acima
Email Versão para impressão

Data: 29/11/2018 - 19:38:24

Vereadores ouvem prefeitura e famílias
sobre retenção na educação infantil

  • Gislaine Budel, da SME, manteve a opinião de que não reter as crianças na Educação Infantil é a melhor decisão. (Foto: Rodrigo Fonseca/CMC)
  • Professor Euler, presidente de Educação, insistiu na importância de uma proposta de consenso para a solução do conflito. (Foto: Rodrigo Fonseca/CMC)
  • Líder do Executivo, Pier Petruzziello insistiu que tecnicamente não seria da alçada da Câmara decidir sobre a questão. (Foto: Rodrigo Fonseca/CMC)
  • Autor do projeto em questão, Felipe Braga Côrtes alertou que o projeto será votado no dia 12, com ou sem consenso entre as partes. (Foto: Rodrigo Fonseca/CMC)
  • Para a representante da Reviver Down, seria importante superar o impasse. Caso contrário, ela disse, a permanência continuará sendo debatida na Justiça. (Foto: Rodrigo Fonseca/CMC)
  • Para Thiele Roth, da União dos Pais Pelo Autismo, a convivência com crianças nesta fase da primeira infância é importante. (Foto: Rodrigo Fonseca/CMC)
  • Maria de Fátima Minetto, da UFPR, discordou das bases teóricas da SME para embasar a negativa à retenção. (Foto: Rodrigo Fonseca/CMC)
  • Diversas mães acompanharam o debate entre a SME e as associações de crianças com necessidades especiais. (Foto: Rodrigo Fonseca/CMC)
A reunião mediada pela Câmara Municipal de Curitiba (CMC), nesta quinta-feira (29), entre a Secretaria Municipal de Educação (SME) e as associações que defendem o direito à permanência de crianças com necessidades especiais na Educação Infantil terminou sem que houvesse consenso entre as partes. O debate se deu numa reunião conjunta das Comissões de Educação e de Acessibilidade, presididas pelo Professor Euler (PSD) e por Pier Petruzziello (PTB), que também é líder do Executivo na CMC.

A SME defende o avanço das crianças ao Ensino Fundamental, mas os pais alegam que, em casos especiais, a permanência por um ano a mais na Educação Infantil ajudaria no desenvolvimento delas. No próximo dia 12 de dezembro, os vereadores de Curitiba votarão em plenário um projeto de lei apresentado por Felipe Braga Côrtes (PSD) que autoriza a retenção, por uma única vez, e desde que embasada em laudos (005.00029.2018, com substitutivo 031.00035.2018).

Essa proposição chegou a ser levada ao plenário, no dia 27 de novembro, mas conforme a discussão revelou a divergência de opinião entre os parlamentares, o autor Felipe Braga Côrtes acatou a sugestão de Petruzziello, para que um debate adicional sobre o tema fosse realizado. Para Côrtes, é importante “estar desarmado das questões políticas” para discutir o assunto, pois está em questão “a felicidade das crianças”. Petruzziello entende que é um tema para o Executivo, não para o Legislativo se manifestar, dado o conflito entre normas federais.

É neste contexto que foi realizada a reunião extraordinária, que contou com a presença de Gislaine Coimbra Budel, diretora do Departamento de Inclusão e Atendimento Educacional Especializado da SME, representantes da Associação Reviver Down e da União de Pais pelo Autismo, a pesquisadora Maria de Fátima Minetto, da Universidade Federal do Paraná (UFPR), e diversas mães. Segundo o Executivo, hoje, na rede pública de Educação Infantil, são 594 as crianças com necessidades especiais. Segundo as associações, apenas 9 famílias pleiteariam a retenção para 2019.

“Temos uma cultura de retenção, na qual a escola boa é a que reprova”, criticou a diretora do Departamento de Inclusão. Budel afirmou estar convicta que a retenção é ruim para as crianças com necessidades especiais, que elas “não estarão largadas” ao avançarem para o Ensino Fundamental, pois a Prefeitura de Curitiba tem 15 modalidades de acompanhamento e capacita permanentemente os professores. “Não é a criança que precisa se adequar à escola. É a escola que precisa se adequar aos alunos”.

Gislaine Budel disse que a decisão de proibir a retenção na Educação Infantil se dá em respeito ao parecer 2/2018 do Conselho Nacional de Educação, que segundo ela garantiria o direito à continuidade. Também destacou que Curitiba é referência na área e pediu a oportunidade para continuar o trabalho. “Não é perfeito, mas é de altíssima qualidade”, disse, apontando que a maioria das famílias está satisfeita com o atendimento prestado às crianças com necessidades especiais.

Citando a Lei Brasileira de Inclusão, Ana Cláudia Matos, da Reviver Down, e Thiele Roth, da União de Pais Pelo Autismo, se opuseram ao entendimento que outras normas gerais teriam mais validade que uma legislação feita diretamente para as crianças com necessidades especiais. Também repetiram que a retenção seria avaliada caso a caso, pois admitem que há situação em que ela não seria necessária.

“Não queríamos que fosse necessário ingressar novamente na Justiça [para garantir a retenção]”, explicou a representante da Reviver Down, lembrando que essa situação de enfrentamento começou há três anos. “Antes havia entendimento [para os casos especiais]”, disse. Para Thiele Roth, a convivência com crianças nesta fase da primeira infância é importante para construir a base de sociabilidade necessária às séries seguintes.

“O serviço público [na Educação Infantil] é de bastante qualidade. É uma gestão competente e organizada, por isso me preocupa essa inflexibilidade”, criticou Maria de Fátima Minetto, da UFPR, que acompanhou as representantes das famílias. Contrapondo as referências teóricas mobilizadas por Budel, da SME, a pesquisadora defendeu a tese de que há casos em que a retenção é benéfica. Ela disse que determinadas crianças, com diagnóstico laudado, teriam melhores resultados no futuro graças à permanência.

Além de Euler, Petruzziello e Braga Côrtes, também o presidente do Legislativo, Serginho do Posto (PSDB),  Maria Manfron (PP), Tito Zeglin (PDT), Marcos Vieira (PDT), Dr. Wolmir Aguiar (PSC), Oscalino do Povo (Pode) e Geovane Fernandes (PTB) acompanharam o debate, que se estendeu por duas horas. Aguiar e Fernandes manifestaram sua preocupação, caso não haja  consenso até o dia 12 de dezembro, que a aprovação em plenário leve a um veto do Executivo.


Texto:   José Lazaro Jr.
Revisão:   Marcio Alves da Silva
 
Reprodução do texto autorizada mediante citação da Câmara Municipal de Curitiba.


Arquivos para download:

Voltar
 

Este legislativo municipal oferece através de seu site uma visão geral dos trabalhos realizados em prol da cidade de Curitiba. Acompanhe nesta ferramenta o trabalho dos vereadores, a execução do orçamento, e tenha acesso a diversas informações institucionais e de funcionamento. Nosso objetivo maior é o de dar transparência aos trabalhos aqui realizados. Lembramos que este site está em constante atualização e melhoria. Sua visita frequente é muito importante.

© 1997 - 2018 - Câmara Municipal de Curitiba - todos os direitos reservados

Câmara Municipal de Curitiba - Rua Barão do Rio Branco, 720 - Curitiba - Paraná - Brasil - CEP: 80010-902
Fone: (41) 3350-4500 - Fax: (41) 3350-4737 - Email geral:
camara@cmc.pr.gov.br

Esse site pode ser melhor visualizado nos seguintes navegadores: Firefox 29, IE 11, Chrome 35 ou versões superiores.