back index CÂMARA MUNICIPAL
CURITIBA

Curitiba, 15 de dezembro de 2018
 
Sim Não
controle de spam, digite o código no campo acima
Email Versão para impressão

Data: 07/02/2018 - 13:54:51

Vereadores debatem manutenção
de escolas e CMEIs de Curitiba

  • A falta de manutenção nas escolas e CMEIs de Curitiba motivou debate entre vereadores na segunda parte da ordem do dia desta quarta-feira. (Foto: Chico Camargo/CMC)
  • Mestre Pop propôs a sugestão ao Executivo que gerou o debate sobre a manutenção e a segurança dos equipamentos da rede municipal de educação. (Foto: Chico Camargo/CMC)
  • “A questão se agravou no recesso, quando vândalos quebraram telhas e vidros e as salas foram alagadas pelas chuvas”, defendeu Tico Kuzma. (Foto: Chico Camargo/CMC)
  • Professor Euler sugeriu que parte das economias da Câmara, devolvidas à Prefeitura de Curitiba, sigam para a manutenção das escolas e CMEIs. (Foto: Chico Camargo/CMC)
  • Professora Josete falou sobre o contrato de vigilância das unidades da rede de educação e que “não existe um planejamento a médio prazo”. (Foto: Chico Camargo/CMC)
  • Segundo Mauro Ignácio, o CEI receberá inicialmente R$ 80 mil. “É um assunto que já estava pendente da administração passada.” (Foto: Chico Camargo/CMC)
A discussão de uma sugestão de ato de administrativo para a reforma do Centro de Educação Integral (CEI) Maestro Bento Mossurunga, na sessão desta quarta-feira (7), ampliou o debate sobre a manutenção e a segurança dos equipamentos da rede municipal de ensino. Autor do requerimento aprovado em plenário, o vereador Mestre Pop (PSC) disse que o equipamento público, localizado no bairro Alto Boqueirão, precisa de reparos nos vidros, piso, telhado, alambrado e pintura, dentre outras intervenções (203.00008.2018).

“É uma escola antiga e o problema se arrasta desde a gestão anterior. Em 2015 eu tinha comentado que a escola precisava passar por reforma. Lembrando que o repasse às escolas [pelo Fundo Rotativo] não é suficiente”, apontou Pop. “Vândalos entraram lá e nem roubaram, porque estava tudo danificado”, completou, sobre invasão em janeiro que teria piorado a situação do CEI. O parlamentar citou outras escolas e CMEIs que precisam de reparos e disse ter destinado emenda orçamentária ao Maestro Bento Mossurunga, na gestão anterior, não executada (308.00438.2015). Ao orçamento de 2018, alocou R$ 10 mil à unidade (308.00218.2017).

Na sequência, Mauro Ignácio (PSB) afirmou que a demanda “já está em atendimento”. “É um assunto que estava pendente da administração passada. Um ano [2017] é muito pouco para recuperar essas pendências, que realmente existem”, defendeu. Segundo o vereador, “o investimento inicial será de R$ 80 mil”. Líder do prefeito, Pier Petruzziello (PTB) reforçou que a emenda pendente ao CEI Maestro Bento Mossurunga não é de responsabilidade desta gestão.

“Eu também acompanhei desde a semana passada essa questão do CEI. Alguns outros vereadores também receberam de pais ou do próprio diretor, ou foram marcados no próprio Facebook. A situação da escola como um todo não é de agora, vem de anos anteriores. Entretanto, como disse o diretor, o Everton, a questão se agravou no recesso, quando vândalos quebraram telhas e vidros e as salas foram alagadas pelas chuvas”, continuou Tico Kuzma (Pros). “O Núcleo de Educação foi à escola no mês de janeiro, consertou as telhas, o que podia, e se comprometeu. Agendei para amanhã [8] uma visita, os demais vereadores estão convidados.”

De acordo com Mestre Pop, ele retornará ao equipamento para verificar se as obras começaram. “As crianças ficam fora da escola dois meses. Acredito que esses reparos já poderiam ter sido feitos. A presença da Guarda [Municipal] também seria muito importante, não somente [para] escolas, mas para unidades de saúde, como na Monteiro Lobato", acrescentou, sobre o vandalismo.

“Paga-se uma fortuna e não sentimos retorno. Muitas vezes acontecem os furtos e eles não vão à escola, não repõe [o que foi furtado] ou demora muito”, avaliou Professora Josete (PT). “Não existe um planejamento a médio prazo, no sentido de colocar prioridade para essas escolas. Coisas são feitas na medida em que os casos acontecem. Os telhados, a fiação. Houve vândalos, houve. Mas o problema lá é antigo, de estrutura mesmo”, completou a vereadora.

Kuzma sugeriu que a Comissão de Educação, Cultura e Turismo aprofunde o debate sobre o contrato com a empresa de vigilância, e ponderou que o Plano Plurianual (PPA) prevê reformas em diversos estabelecimentos. Já para Professor Euler (PSD) – que em 2017 presidia o colegiado e em visitas às 185 escolas municipais verificou os problemas na manutenção como principal demanda dos diretores –, o Legislativo pode sugerir que suas economias, devolvidas à prefeitura, sejam usadas para a reforma desses equipamentos. “Sei que não é possível fazer verba carimbada, mas que a gente possa sugerir que parte desta verba seja usada na manutenção”, afirmou.

Também participaram do debate os vereadores Bruno Pessuti (PSD), Jairo Marcelino (PSD), Marcos Vieira (PDT), Mauro Bobato (Pode) e Noemia Rocha (PMDB).


Texto:   Fernanda Foggiato
Revisão:   Pedritta Marihá Garcia
 
Reprodução do texto autorizada mediante citação da Câmara Municipal de Curitiba.


Arquivos para download:

Voltar
 

Este legislativo municipal oferece através de seu site uma visão geral dos trabalhos realizados em prol da cidade de Curitiba. Acompanhe nesta ferramenta o trabalho dos vereadores, a execução do orçamento, e tenha acesso a diversas informações institucionais e de funcionamento. Nosso objetivo maior é o de dar transparência aos trabalhos aqui realizados. Lembramos que este site está em constante atualização e melhoria. Sua visita frequente é muito importante.

© 1997 - 2018 - Câmara Municipal de Curitiba - todos os direitos reservados

Câmara Municipal de Curitiba - Rua Barão do Rio Branco, 720 - Curitiba - Paraná - Brasil - CEP: 80010-902
Fone: (41) 3350-4500 - Fax: (41) 3350-4737 - Email geral:
camara@cmc.pr.gov.br

Esse site pode ser melhor visualizado nos seguintes navegadores: Firefox 29, IE 11, Chrome 35 ou versões superiores.