back index CÂMARA MUNICIPAL
CURITIBA

Curitiba, 21 de agosto de 2018
 
Sim Não
controle de spam, digite o código no campo acima
Email Versão para impressão

Data: 07/08/2018 - 08:38:52

Audiência sobre violência no Centro
fez homenagem a jovem assassinado

  • A discussão “Segurança Pública e o direito à cidade” foi uma reivindicação da Casa do Estudante Universitário entregue ao vereador Marcos Vieira. (Foto: Chico Camargo/CMC)
  • Durante o evento, os presentes fizeram um minuto de silêncio pela morte do estudante da UTFPR, Jorge Farias. (Foto: Chico Camargo/CMC)
  • “É uma dor coletiva de perder, à luz do dia, um dos nossos membros”, disse o presidente da Casa do Estudante, Cleverton Quadros. (Foto: Chico Camargo/CMC)
  • Edeluz Ribas Alves disse que está “cansada de esperar que as coisas melhorem”. (Foto: Chico Camargo/CMC)
  • Professor Euler citou o projeto da chamada Lei de Zoneamento que prevê medidas para incentivar construção de moradias para a região central. (Foto: Chico Camargo/CMC)
  • “Falta gente na cidade, a cidade está esvaziada”, frisou Isabela Marinho. (Foto: Chico Camargo/CMC)
  • “Temos roubos, mas as pessoas não registram”, pontuou o capitão Gildo dos Santos Lima, do 12º Batalhão de Polícia Militar. (Foto: Chico Camargo/CMC)
  • Emannoel David descreveu como é feito o trabalho da Polícia Civil na investigação de crimes, como o que vitimou o estudante Jorge Farias. (Foto: Chico Camargo/CMC)
  • Para Priscila Placha Sá, com o estudo sobre a história do Brasil “temos a possibilidade de dizer que a violência é o componente da estrutura da sociedade brasileira”. (Foto: Chico Camargo/CMC)
  • Estudantes e representantes da sociedade civil participaram de audiência pública na Câmara Municipal. (Foto: Chico Camargo/CMC)
A fim de buscar soluções para os casos de violência e criminalidade, especialmente no Centro, uma audiência pública realizada na Câmara Municipal de Curitiba (CMC), nesta segunda-feira (6), reuniu representantes de estudantes, da sociedade civil organizada e das polícias Civil e Militar. A discussão “Segurança Pública e o direito à cidade” foi uma reivindicação da Casa do Estudante Universitário entregue ao vereador Marcos Vieira (PDT), integrante da Comissão de Educação, Cultura e Turismo.

Durante o evento, os presentes fizeram um minuto de silêncio pela morte do estudante da UTFPR (Universidade Tecnológica Federal do Paraná) Jorge Farias, de 21 anos, que foi cercado e assassinado com uma facada, no centro da capital, no mês de maio. “É uma dor coletiva de perder, à luz do dia, um dos nossos membros”, disse o presidente da Casa do Estudante, Cleverton Quadros. Ele destacou ainda que a criminalidade atinge não somente estudantes no trajeto casa-escola, mas também moradores da região central e comerciantes.

Um trabalho conjunto entre a Polícia Militar e a Guarda Municipal, em espaços como o Passeio Público, cujo módulo policial foi desativado, foi sugerido por Edeluz Ribas Alves. Ela é presidente da Associação de Moradores, Proprietários, Comerciantes e Amigos da Praça Santos Andrade e Passeio Público há 17 anos e disse que está “cansada de esperar que as coisas melhorem”. Ela afirmou que deseja a garantia do atendimento à segurança pública para a população.

Por haver grande número de instituições de ensino na região central, o presidente da Comissão de Educação, Professor Euler (PSD), falou sobre a importância de se atentar para os ambientes escolares. Euler citou também o projeto da Lei de Zoneamento, entregue pelo prefeito Rafael Greca na Câmara, na semana passada, e que prevê medidas para incentivar construção de moradias para a região central. “Que as pessoas retornem a morar no centro, uma nova ocupação como fator para diminuir os índices de criminalidade”, sugeriu.

Na mesma linha, a estudante Isabela Marinho falou sobre o “acesso à cidade”. “Falta gente na cidade, a cidade está esvaziada”, frisou. Ela citou que é preciso  garantir 'direitos legais', como transporte e infraestrutura, indicando a falta de iluminação em alguns pontos nas vias, o que, segundo ela, faz do entorno das universidade e escolas locais mais “vulneráveis”.

Professor Euler (PSD), assim como Geovane Fernandes (PTB), destacaram os trabalhos dos Conselhos Municipais de Segurança (Conseg) nos bairros e a contribuição desses colegiados para o trabalho policial. “Quanto maior o sentimento de pertencimento ao seu bairro, mais eficiente é a participação da população”, disse Euler.

O capitão Gildo dos Santos Lima, do 12º Batalhão de Polícia Militar, informou que a PM tem feito trabalhos em conjunto com a Guarda Municipal, por meio do patrulhamento comunitário, e atende 28 bairros da capital. Para Lima, é preciso que a população registre as ocorrências pelo 190, para que, ao menos, o fato entre para as estatísticas da polícia, ajudando no trabalho preventivo. “Temos roubos, mas as pessoas não registram”, pontuou.

Já o delegado da Delegacia de Furtos e Roubos, Emannoel David, descreveu como é feito o trabalho da Polícia Civil na investigação de crimes, como o que vitimou o estudante Jorge Farias. Ainda falou das limitações da polícia, como o corpo efetivo de 30 investigadores para 2 milhões de habitantes. “O Estado tem buscado meios de suprir isso, mas uma defasagem história [no quadro de funcionários] não consegue ser suprida de um governo para o outro”, ponderou.

Representando a área acadêmica, a professora da Universidade Federal do Paraná (UFPR), Priscila Placha Sá, afirma que por meio do estudo sobre a história do Brasil “temos a possibilidade de dizer que a violência é o componente da estrutura da sociedade brasileira”, citando questões como escravatura, patriarcado e desigualdade de raças e gêneros. Ela também atribui o aumento da criminalidade ao agravamento de crises econômicas e, atualmente, o novo uso de redes sociais para a promoção da violência e de crimes. O público presente na audiência pode participar, ao final das explanações, com sugestões e dúvidas. Também estiveram presentes os vereadores Maria Manfron (PP), Oscalino do Povo (Pode) e Professora Josete (PT).


Texto:   Claudia Krüger
Revisão:   José Lazaro Jr.
 
Reprodução do texto autorizada mediante citação da Câmara Municipal de Curitiba.


Arquivos para download:
Voltar
 

Este legislativo municipal oferece através de seu site uma visão geral dos trabalhos realizados em prol da cidade de Curitiba. Acompanhe nesta ferramenta o trabalho dos vereadores, a execução do orçamento, e tenha acesso a diversas informações institucionais e de funcionamento. Nosso objetivo maior é o de dar transparência aos trabalhos aqui realizados. Lembramos que este site está em constante atualização e melhoria. Sua visita frequente é muito importante.

© 1997 - 2018 - Câmara Municipal de Curitiba - todos os direitos reservados

Câmara Municipal de Curitiba - Rua Barão do Rio Branco, 720 - Curitiba - Paraná - Brasil - CEP: 80010-902
Fone: (41) 3350-4500 - Fax: (41) 3350-4737 - Email geral:
camara@cmc.pr.gov.br

Esse site pode ser melhor visualizado nos seguintes navegadores: Firefox 29, IE 11, Chrome 35 ou versões superiores.